quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Breves desconexas

«Obama promulgou aumento do limite de endividamento» *

Depois do sofrível enrolar do mar na areia, que enrola no mar * , os democratas e os republicanos concordaram aumentar a dívida e diminuir a despesa * . O presidente, de esquerda *, viu-se forçado a engolir o chá * e não reforçará os impostos sobre quem os pode pagar. Desconhece-se se tal panaceia resolverá os problemas dos EUA. Ou os do mundo. Criará certamente novos desafios para Obama.

«Barroso preocupado com a “gravidade” da situação da Itália e da Espanha» *

O presidente da Comissão pretende a adoção rápida das decisões do Conselho Europeu * . Barroso sabe, melhor do que ninguém, que tal é impossível. As decisões às quais se refere, a retirar-se delas algum conteúdo, implicam a aprovação de atos legislativos e regulamentares que poderão levar meses ou anos a conceber e outros tantos a apurar. Mas tem razão quando lembra que falta tempo à União. Teria sido fantástico se se tivesse lembrado disso antes...

«Julgamento de Hosni Mubarak» *

Se praticou ou não os crimes de que vai acusado, é questão que caberá ao tribunal decidir. O seu próprio povo e os média internacionais, contudo, já proferiram a sentença. Quem defende a presunção da inocência não fica indiferente ao ver um acusado enjaulado, deitado numa maca, e exibido como numa feira de horrores. Por outro lado, quem defende os direitos humanos tem a legítima expetativa de acompanhar o julgamento ao segundo. Não vá dar-se o caso de tais horrores terem mesmo sido praticados.

«PSD faz chamada falsa para o 112 para testar velocidade» *

Uma auditoria amadora, sem qualquer enquadramento científico. Tudo para replicar os argumentos do presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica, enquanto este era ouvido numa comissão parlamentar. Foi-se muito longe na vivacidade da argumentação.

A sociedade tem bem interiorizado que a utilização abusiva de um sinal ou de uma chamada de alarme ou de socorro configura a prática de um crime. De resto, o artigo 306º do Código Penal * assim o dispõe. É certo que, aos deputados, são garantidas algumas imunidades constitucionais, sem as quais a democracia e o poder de fiscalização da Assembleia da República seriam meras formalidades (vd. artigo 107º da CRP* ). Mas ainda assim... Em síntese: não tente fazer isto em casa.

«Os políticos de direita têm mais capacidade de transmitir a sexualidade» *

Rodrigo Moita de Deus, um dos 31s, mimou-nos com uma caracterização fiel dos atuais políticos de direita. Servem para exibir os botões de punho. Também coseu alguns argumentos em defesa da monarquia. (E que argumentos...) Não se percebeu se o fez por convicção ou apenas para promover a sua imagem. Em qualquer dos casos, não conseguiu convencer este republicano de esquerda, que prometeu há muito exilar-se se Portugal algum dia se tornasse numa Monarquia. Não é que alguém lhe desse pela falta.

Sem comentários:

Enviar um comentário